Unicamp e Universidade de Bristol divulgam relatório sobre letramentos digitais e inclusão digital no Brasil contemporâneo

O documento foi utilizado como material preparatório de workshop interdisciplinar organizado por ambas as instituições acadêmicas com apoio do Newton Fund e da FAPESP

Para debater o novo contexto da inclusão digital e dos letramentos digitais emergentes no Brasil contemporâneo, o Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp, em parceria com a Universidade de Bristol, realizaram workshop interdisciplinar nos dias 13 a 15 de julho de 2021. Com financiamento do British Council-FAPESP Researcher Links, o evento teve o objetivo de estimular vínculos de longo prazo entre pesquisadores do Reino Unido e de universidades do Estado de São Paulo, bem como contribuir para o desenvolvimento pessoal e profissional dos participantes. 

O workshop reuniu dezenas de pesquisadores com até 10 anos de doutorado, convidados a discutir seus estudos atuais com pesquisadores estabelecidos na área e também representantes de organizações da sociedade civil (OSC) brasileiras que trabalham com inclusão digital no Brasil. 

No intuito de ampliar o alcance da iniciativa e inspirar ainda mais novos diálogos e trabalhos de advocacy sobre o tema, o relatório preparatório está disponível para download. O documento foi financiado pela Research England’s Quality-related Research Strategic Priorities Funding e produzido sob uma Licença Creative Commons por Priscila Gonsales, fundadora e diretora da OSC Educadigital, cuja missão há 10 anos é contribuir para novas oportunidades de aprendizagem em uma sociedade em constante transformação, com foco na educação aberta, e na defesa dos direitos digitais.

O relatório preparatório abrange um estado da arte sobre os conceitos de “inclusão digital” e “letramento digital” atualmente válidos nas instituições públicas e no terceiro setor no Brasil. Traz também um panorama do cenário atual da cultura digital, ou seja, um cenário fortemente marcado por plataformas de comunicação, dadificação, algoritmos de IA, vigilância, populismo digital, desinformação sistemática, além da ocupação de espaços cívicos e institucionais por oligopólios empresariais. 

"É importante que o documento seja disponibilizado para que possa incentivar mais pesquisas e estudos na área e estimular mais diálogos entre a academia e aqueles que trabalham com iniciativas de letramento e inclusão digital no governo e no terceiro setor."
Edward King
Universidade de Bristol, coorganizador do workshop

Entre vários aspectos relacionados ao atual momento brasileiro, o relatório destaca que o acesso à internet no país tem sido feito por telefone celular, ou seja, o celular é o principal dispositivo de acesso à internet.  Boa parte da população utiliza um plano mensal de dados pré-pagos, assim, quando o plano termina, as pessoas têm acesso somente às redes sociais como Facebook e Whatsapp, que pertencem à mesma empresa. 

Outro ponto destacado é a educação pública que tem se mantido à parte da discussão de políticas de cultura digital, tais como, apropriação de ambientes tecnológicos e, especialmente, questões relacionadas à construção de marcos legais, tais como, Marco Civil da Internet, reforma dos direitos autorais e Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Durante a pandemia, universidades públicas e secretarias de educação intensificaram a adoção de plataformas das BigTechs sem a devida preocupação com a proteção de dados de estudantes e docentes. 

O relatório também traz exemplos de casos recentes sobre cultura digital, estudos acadêmicos sobre vigilância na educação, projetos de divulgação científica e iniciativas de organizações sociais cobrindo temas da atualidade, tais como, conscientização anti-racismo e anti-discriminação, agenda feminista, dentre outros.  

"No passado, nossa preocupação era que as pessoas tivessem acesso e habilidades para usar a internet em favor do seu crescimento e do desenvolvimento de suas comunidades. Atualmente lidamos com um nível mais sofisticado de problemas advindo justamente do fato de que o acesso se universaliza de formas pouco neutras e os conhecimentos necessários vão muito além de saber usar as máquinas e os serviços: é preciso agora entender o que e a quem as tecnologias usam, e como."
Marcelo Buzato
Unicamp, coorganizador do workshop

Simpósio mobiliza educadores e estudantes para cocriar boas ideias a partir de desafios atuais da educação

Totalmente on-line, o evento tem o objetivo de propiciar a educadores, gestores educacionais e demais profissionais que atuam em formação de pessoas, uma vivência na abordagem do Design Thinking no formato remoto

A estrutura do Simpósio é focada na interatividade com os participantes, ou seja, em vez de palestras, atividades cocriativas, “cases” inspiradores e ideação coletiva. Para conhecer nossa equipe de facilitadores, acesse a página do evento.

Um resumo das ideias geradas em cada dia pode ser lido aqui, basta clicar nas abas abaixo:

No primeiro dia do Simpósio, o tema foi “Cidadania Digital”,  apresentado pela facilitadora Priscila Gonsales, que enfatizou a que trabalhar com cidadania digital envolve criar práticas educativas relacionadas a direitos humanos, além do uso seguro e consciente da internet. 

A primeira atividade em grupo foi compreender os desafios possíveis para esse tema e considerar as pessoas envolvidas. O grupo escolheu fazer um “mapa da empatia” dos professores. Na sequência foram criadas salas de trabalho em grupo para a ideação.

Saiba mais: 
O que é Design Thinking – entrevista com Priscila Gonsales
Apresentação sobre Cidadania Digital
Link para os murais criados: grupo 1grupo 2 e grupo 3

O segundo dia tratou do tema “Educação Híbrida”, apresentado pelo facilitador Robson Santos, que ressaltou como o conceito não é novo, que há muito tempo a educação utiliza diferentes estratégias didáticas para além da sala de aula. Mas que agora, com a pandemia o conceito de “híbrido” vem ganhando força, especialmente pela mediação de plataformas on-line. 

A primeira atividade coletiva deste dia foi compreender as “certezas” e “dúvidas” que o tema traz para só então poder identificar qual o desafio a ser enfrentado. Cada matriz permite elencar diversos desafios, a questão é saber escolher quais os mais urgentes.

Na sequência, o grupo criou uma “persona escola”, para puder retratar as características positivas que a escola como equipamento social oferece, bem como o que ela deixa a desejar. 

E, por fim, os grupos de ideação conversaram sobre possibilidades concretas: grupo 4grupo 5 e grupo 6

Vídeos inspiradores sobre Educação Híbrida:
Missão Galo
Amazônia: laboratório natural

O último dia contou com a participação especial de 5 estudantes do Ensino Médio: Ariane Tobias, de Canindé do São Francisco (SE), Natalhia Viana, do Rio de Janeiro (RJ), ambas do grupo de jovens do projeto Criativos da Escola. Também estiveram presentes três alunas do CIEP Cecília Meireles, de Petrópolis (RJ): Maria Beatriz Alves, Maria Eduarda Kaezer e Viviane Maciel. 

As convidadas vieram cocriar com os educadores participantes sobre o tema Projetos de Vida e Itinerários Formativos, apresentado pela facilitadora Ana Marcia Paiva. Apesar de bastante pertinente, ainda é raro encontrar escolas que envolvem estudantes no processo de concepção e planejamento de itinerários. 

Os participantes todos, incluindo as alunas, fizeram o quadro de “motivações” e “tensões” para compreender melhor o tema e saber quais os entraves de implementação. Fizeram, ainda, a persona “estudante” para uma conexão empática com a faixa etária de quem está cursando Ensino Médio nos dias de hoje. 

Na sequência, as salas de grupos para ideiação de possibilidades. Nos links de cada grupo vai aparecer também os ambientes utilizados nas atividades coletivas gerais: grupo 7grupo 8grupo 9

Esse dia também foi transmitido ao vivo para quem quisesse acompanhar. 

Saiba mais:  

Vídeo sobre Itinerários Formativos da Ana Marcia Paiva

Projetos de vida – educação em valores