Educação e Cultura Digital: o carnaval como inspiração para a escola da era digital

Em reportagem publicada hoje no jornal O Globo, a diretora executiva do IED, Priscila Gonsales, a professora Léa Fagundes, o pesquisador Henry Jenkins e a diretora do Instituto Paramitas, Cláudia Stippe falam sobre educação e cultura digital.

Henry Jenkins vê no carnaval mais do que uma festa popular: um exemplo de interação social que deve servir como modelo para os educadores da era digital. De acordo com o pesquisador americano, o carnaval e as escolas de samba são exemplos típicos de cultura participativa, onde todos estão aptos a produzir informação, e o conhecimento é passado de maneira informal.

Com a proliferação das tecnologias de informação, o sistema tradicional de ensino está com os dias contados. As pessoas, principalmente as mais jovens, buscam bens culturais antes inacessíveis, se comunicam por diversas mídias com grupos distantes fisicamente, mas com os mesmos interesses. Para Jenkins, se a escola não se apropriar dessa nova forma de difusão do conhecimento, ficará para trás.


Ética e segurança no currículo escolar

Além da falta de acesso, faltam treinamento e incentivos para que a tecnologia mude o dia a dia das salas de aula. Especialistas concordam que não basta colocar um tablet na mão do aluno e trocar o quadro negro por uma lousa interativa. É preciso mudar a maneira de ensinar.

“Ainda se olha para a tecnologia com o paradigma da revolução industrial. A cultura digital mudou o mundo, mas a escola continua com o sistema falido, de aulas de 50 minutos com o professor falando e o aluno escutando”, avalia Priscila Gonsales, diretora-executiva do Instituto Educadigital.

Para Jenkins, essa é uma das principais lacunas deixadas pela escola. Em vez de aproveitar os dispositivos técnicos para incentivar a participação, os estudantes ainda são mantido apenas como receptores. Segundo ele, os jovens da era digital são acostumados a produzir informação. Eles publicam filmes no YouTube, compartilham informações em redes sociais, e manter esse mundo fora das escolas é até mesmo perigoso para as crianças.

Apesar das dificuldades, existem experiências exitosas e não são poucas. A professora da UFRGS Léa Fagundes, de 82 anos, pioneira no uso da tecnologia na educação no Brasil, conta que em uma escola do Rio Grande do Sul atendida pelo projeto “Um Computador por Aluno”, do Ministério da Educação, os alunos estão se comunicando e trocando experiências com crianças do Uruguai e da Argentina.

Leia reportagem completa em  http://oglobo.globo.com/tecnologia/o-carnaval-como-inspiracao-para-escola-da-era-digital-6473977#ixzz2BMpkrTn1

O uso das novas tecnologias amplia possibilidades de aprendizado

Na última semana o Todos pela Educação apresentou duas matérias sobre o mapeamento atual da internet nas escolas brasileiras e a integração das TIC na educação, vários especialistas foram consultados e entre eles a diretora-executiva do IED, Priscila Gonsales.

Segundo levantamento do Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), de 2011, apenas 42,6% das escolas públicas de Ensino Fundamental têm acesso à internet e 55,9% delas ainda não possuem laboratório de informática.

No início do ano, o ministro Aloizio Mercadante anunciou que o MEC vai distribuir 600 mil tablets para os professores, com um investimento entre R$ 150 milhões e R$ 180 milhões. O processo vai começar antes que se tenha uma análise do impacto do Programa Um Computador por Aluno (Prouca), do governo federal. Pelo Prouca, criado em 2005, estados, municípios e o Distrito Federal podem adquirir laptops novos para as escolas. O programa chegou a apenas 2% das escolas do País.

Segundo especialistas, não adianta as ferramentas serem oferecidas sem o preparo dos profissionais da educação para lidar com elas. Para eles, a escola precisa saber incorporar as chamadas Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) à rotina da sala de aula.

De acordo com Priscila Gonsales “as crianças e jovens vão para a escola como se fosse um mundo à parte daquilo que eles vivem” e “as pessoas já estão financiando, comprando os seus computadores. Isso já faz parte da rotina delas”.

A pesquisa TIC Domicílios 2011, do Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação,comprova o que diz Priscila. Segundo o estudo, o crescimento do uso da internet em casa vem substituindo o acesso à rede em lan houses ou centros públicos de acesso pago. “A escola não pode estar desligada do que a sociedade é. Hoje estamos impregnados de uma cultura digital”, explica ela.

No caso da formação docente, Priscila diz, “o que falta hoje em dia são espaços de troca de experiência entre os professores. Seriam trocas presenciais ou online, onde os professores possam compartilhar seus desafios e dúvidas”. Segundo pesquisa recente do TIC Educação, para 70% dos professores a melhor forma de aprender é com a experiência de outro professor.


Leia na íntegra:

Menos da metade das escolas públicas de Ensino Fundamental tem acesso à internet

Para especialistas, o uso das novas tecnologias amplia possibilidades de aprendizado

Programa Redes Sociais e Adolescentes

…interagindo e curtindo com ou sem limites?

A convite da equipe do Overdose Virtual, Débora Sebriam do Instituto Educadigital participa do programa “Redes Sociais e Adolescentes“.

O Overdose Virtual comandado por Lisandra Golba (@LGolba), Mariel Lobo de Souza (@MarielSouza), Phillipi Labanca (@PhillipiLabanca) e Ivy Moonchild (@Ivy_MoonChild) é um programa de rádio, via internet, que reúne profissionais para conversar sobre temas ligados ao comportamento virtual.

O programa apresenta assuntos variados de maneira clara, objetiva e descontraída com o objetivo de desmistificar o mundo virtual.

Quando: 03/06

Horário: 20h às 22h

Como acompanhar? Basta acessar a Fan Page do Overdose Virtual na hora do programa. O programa será gravado e disponibilizado no canal do Youtube Cybercomportamento

IED é júri no Prêmio Tod@s Web, da W3C

A diretora-executiva do IED, Priscila Gonsales, foi convidada para integrar o júri do Prêmio Tod@s Web, da W3C Brasil, voltado para a valorização de projetos, pessoas e instituições que atuam em prol da acessibilidade na web. A cerimônia de premiação está agendada para o dia 14/06/2012.

Saiba mais no site