Entrevista – Grace Gonçalves

Este é o 10º post da série de mini-entrevistas com especialistas e
estudantes convidados que vão apresentar seu ponto de vista para perguntas-chave sobre educar em cidadania digital, tema do nosso novo projeto, a plataforma colaborativa Pilares do Futuro

Bacharel em Sistemas de Informação, MBA em Sustentabilidade em Tecnologia da Informação e Comunicação (LASSU), graduanda em matemática e pós-graduanda em Computação aplicada à Educação pela USP ICMC. Atualmente é Design de Tecnologia Educacional no Colégio Miguel de Cervantes, coordenadora da Comunidade Praxis e  coordenadora da Comunidade Te & Ti Partners Brasil.

Como você definiria a importância de educar para a cidadania digital atualmente? 

Sempre soubemos da importância de educar e compartilhar nossas experiências, mas o ano de  2020 impactou a rotina de todos. Muitas pessoas viveram a necessidade crescente de se apoiar em alguma experiência inovadora, alguma tecnologia que prendesse a atenção dos  alunos, ou alguma ação que pudesse amenizar todo o impacto das mudanças, com o objetivo  contínuo de oferecer cidadania, momentos produtivos, saudáveis e colaborativos. A cidadania digital pautou toda e qualquer ação educativa; qualquer detalhe do mundo virtual,  grande ou pequeno, exigiu atenção redobrada. Nunca estivemos tão conectados como hoje.  Isso, em minha opinião, evidencia a importância de trabalhar a cidadania digital em todos os  âmbitos e chama a atenção para o papel preponderante da escola, na figura do professor, dos estudantes e de todos os envolvidos nesse processo.  

Quais os temas você considera prioritários de serem trabalhados pela escola? 

Considero importante um olhar direcionado e atencioso, pois é preciso trabalhar cada momento de maneira individual, respeitando a realidade de cada instituição. É necessário  focar na prevenção, trazendo à tona temas relevantes como fakenews, phishing e  cyberbullying, amplificando conceitos da cidadania digital como a saúde e o bem-estar digital.  Precisamos discutir direito e responsabilidade, treinando a escuta e tornando os alunos protagonistas das iniciativas e dos projetos de cidadania digital, para que desenvolvam a capacidade de saber como e quando usar a tecnologia digital. 

Gostaria de recomendar algum material ou publicação de orientação que pode inspirar a elaboração de boas práticas? 

Recomendo um tour pelo site da comunidade TE e TI Partners, que surgiu no formato de uma  tímida fanpage de Tecnologia Educacional e Sustentabilidade em 2012 e, com o passar dos anos, se tornou uma sólida comunidade de profissionais e especialistas em Tecnologia Educacional e Tecnologia da Informação voltados à educação, cujo objetivo é apoiar colegas  que atuam em outras instituições, ampliando o compartilhamento de experiências e  conhecimentos entre as áreas , estreitando a parceria e o alinhamento de processos e serviços por meio de encontros presenciais, lives e grupos em redes sociais, sempre em busca das  melhores e mais adequadas soluções para potencializar as aprendizagens de todos os  envolvidos nessa área, sejam eles alunos, educadores ou gestores. 

Conhece alguma boa prática em cidadania digital que poderia relatar brevemente? 

Pensando no ensino remoto, para as aulas recomendo o site (espanhol) pantallas amigas, que apoia as abordagens relacionadas à cidadania digital. Para as famílias, prescrevo o curso do NIC.br totalmente gratuito e on-line organizado pelas brilhantes instrutoras Kelli Angelini e  Karolyne Utomi, chamado Filhos Conectados. O curso oferece todo o conteúdo que pais, mães  e responsáveis precisam para proteger seus filhos e filhas no ambiente digital e para prepará los para utilizar a Internet da melhor forma possível. E para as escolas, recomendo os projetos e as palestras realizadas pela da Dra. Cristina Sleiman, tive a oportunidade de participar de alguns projetos educacionais organizados por ela, e sem dúvida aprendi muito, foi de grande valia para minha atuação profissional e social. 

O que você considera mais desafiante: elaborar uma atividade educativa sobre cidadania digital ou registrar e compartilhar a atividade? 

Como design de projetos, para mim é prazeroso poder elaborar, registrar e compartilhar  atividades sobre cidadania digital. Todavia considero desafiador cimentar projetos de etiqueta ou alfabetização de cidadania digital, e fazer suas ações perdurarem de modo a não apenas  remediar a causa inicial de um eventual problema, mas transformando-os em gatilhos preventivos que possam evitar situações futuras inóspitas, e compor a rotina diária dos  usuários super conectados do século XXI.

VEJA OUTRAS ENTREVISTAS

Pilares do Futuro EntrevistaRaquel Franzim 
Pilares do Futuro
Entrevista – Guilherme Klafke
Pilares do Futuro Entrevista – Kelli Angelini
Pilares do Futuro 
Entrevista – Valdenice Minatel
Pilares do Futuro 
Entrevista – Maria da Graça Moreira
Pilares do Futuro 
Entrevista – Roxane Rojo
Pilares do Futuro Entrevista – Rosa Lamana
Pilares do Futuro  Entrevista – Fernanda Furia
Pilares do Futuro Entrevista – Carlos Lima

LEIA TAMBÉM
Cidadania Digital é o 3º tema de maior interesse entre os professores 

Veja também