Já ouviu falar em “T Shaped Individuals”?

Pixabay

Palestra no Four Summit 2019 apresenta o conceito de profissionais que se aprofundam em um determinado assunto sem deixar de lado a visão do todo e a curiosidade por outras áreas do saber

T Shaped Individual” é um termo utilizado para caracterizar a experiência, o aprendizado e a adaptabilidade humana, destacando que não é suficiente se especializar em uma determinada área de conhecimento, e não se interessar por outros temas. Esse foi o tema da palestra ministrada por Levindo Santos, que utilizou três exemplos para explicar o “T Shaped Individual”.

O primeiro exemplo foi o experimento social feito pelo Washington Post em que o famoso violinista Joshua Bell toca numa estação de metrô da cidade dois dias depois de ter feito uma performance lotada de gente. Quando ele toca, anonimamente, na estação, a reação é muito diferente, poucas pessoas pararam para ouvi-lo e só uma reconhece o músico. Um funcionário da estação nem percebeu que tinha um músico pois estava de fones de ouvido. O exemplo, segundo o palestrante, teve a intenção de mostrar que muitas vezes nos condicionamos a só “ouvir” o que programamos, nem pensamos em descobrir coisas diferentes.

O segundo exemplo foi de uma faculdade nos EUA chamada “St John’s College” uma instituição que à primeira vista, até causa uma má impressão, pois ela oferece um único curso superior, sem graduação específica, um diploma de “bacharel interdisciplinar”. Como exigência, leitura de 25 livros por ano, ensino a distância, e custa 135 mil reais por ano. Porém, essa faculdade já existe desde 1697, e o palestrante mostra um vídeo com vários depoimentos de ex-alunos dizendo que a faculdade foi ótima para eles pois os preparou pra vida, mais do que para um tema em si.

O último exemplo foi de uma pessoa que ficou órfã aos 10 anos, sempre morou na mesma região em que nasceu, e nunca viajou mais do que 300 km de sua casa. Qual seria a chance de essa pessoa, por exemplo, deixar algum legado pra humanidade? Pois essa pessoa é Johann Sebastian Bach, um dos maiores compositores da história, que descobriu seu talento para música muito jovem, tocava violino, cello, flauta, harpa, órgão, cravo e ainda cantava. Estudou a música de sua época, foi compositor, professor, músico de performance, matemático etc. Compôs para todos os gêneros musicais da sua época com exceção de sinfonias e óperas, e influenciou outros gênios da música como Mozart e Beethoven. Tudo isso sem viajar mais do que 300 km, algo que não fez diferença para que ele deixasse um dos maiores legados para a humanidade. 

A ideia do palestrante em expor o “T Shaped Individual” foi chamar a atenção para a importância de se dar uma chance para a sorte, por mais que as possibilidades de encontrar o Joshua Bell tocando numa estação de metrô sejam muito pequenas. É fundamental que se busque, que se vá atrás para algo acontecer, também tirar os fones, caminhar mais, descobrir seus interesses, mesmo que você não veja uma aplicação prática para eles, escutar música, aprender instrumentos, ler sobre temas distintos, estudar sobre artes, cinema etc. “As pessoas interessadas tendem a ser pessoas interessantes”, conclui.

Curso: facilitação de aprendizagem remota

Educadigital lança curso novo, especialmente criado para o contexto atual, em que educadores se deparam com a demanda por uma nova habilidade 

Assim que as escolas foram fechadas como medida de contenção do avanço da COVID-19, nossa diretora, Priscila Gonsales, fez um post no intuito de chamar a atenção para a importância da colaboração, algo sempre relevante entre educaodores, mais ainda em tempos emergenciais.

Nesses últimos dois meses, no entanto, o que se viu com mais frequência foi a corrida por  plataformas e ferramentas digitais para aulas remotas, com pouca ou quase nenhuma preocupação em relação à proteção de dados dos estudantes. O projeto Educação Vigiada enfatiza bem esse aspecto.

Para Priscila Gonsales, escolher a plataforma ou ferramenta não deve ser a primeira ação a fazer, mas sim considerar as pessoas envolvidas no processo. “Facilitar a aprendizagem é o que o bom professor faz desde sempre, o ponto agora é refletir e prototipar possibilidades de facilitação remota, com muita empatia em relação aos estudantes e a si mesmo”, ressalta.

Promover a cultura da colaboração é a melhor maneira de lidar com as incertezas que esse contexto traz, pois não existem respostas prontas.  Além disso, o papel de facilitar a aprendizagem de maneira remota surge como uma nova habilidade.

Pensando em apoiar nossos alunos da turma 10 do curso-laboratório on-line de formação de facilitadores em Design Thinking para Educadores, criamos um novo curso.

Agendado para iniciar no dia 19 de maio, o curso será no formato de 4 encontros em tempo real e  poderá receber também outros interessados, mesmo que não estejam matriculados no curso-laboratório.  As inscrições estão abertas e as vagas são limitadas. Saiba mais aqui

No dia 15 de maio, sexta-feira, 18h, faremos uma LIVE no Instagram do Educadigital para contar um pouco mais sobre o curso e esclarecer dúvidas

 

Como funcionam as mentorias para profissionais da educação?

mentorias

Você já ouviu falar em “mentoria”? Podemos definir as mentorias como uma relação de troca na qual uma pessoa que é especialista ou tem mais experiência em determinado campo de atuação orienta outra pessoa interessada em receber informações, aconselhamento, sugestões e dicas de conduta.

Então, no Educadigital, oferecemos mentorias para educadores e demais profissionais da educação, individualmente, nos seguintes temas:

  • Uso do Design Thinking na educação (formação profissional e/ou corporativa, planejamento de projetos pedagógicos);
  • Uso de licenças abertas de direito autoral e disponibilização de materiais de ensino em conformidade com a Lei de Direito Autoral;
  • Planejamento e desenvolvimento de cursos on-line: organização, design de experiência (antigo “design instrucional”);
  • Organização institucional para a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD): aspectos formativos, curriculares e comunitários;
  • Elaboração de práticas pedagógicas de cidadania digital a partir da promoção de direitos humanos no contexto digital.

As sessões podem ser feitas de forma presencial ou remota, sobretudo precisam ser agendadas e têm duração mínima de 1 hora. É possível organizar um plano de sessões conforme a necessidade da pessoa mentoranda. Para agendar a sua, envie email para
contato@educadigital.org.br

Assim, há também as mentorias coletivas on-line, denominadas Jornada Conexão, com duração de 1h a 2h, dependendo do tema.  A próxima, sobre Inteligência Artificial e Alfabetização em Dados será no dia 7 de abril. Saiba mais aqui.

Cidadania digital é o 3º tema de maior interesse dos professores em relação à tecnologia

Além de aprender sobre possibilidades de aplicação em sua própria disciplina e na criação de novas práticas de ensino, docentes gostariam de saber mais como orientar alunos para o uso seguro, responsável e consciente da internet

Em sua última edição, divulgada em 2019, a pesquisa TIC Educação, realizada pelo Cetic.br, destacou que 57% dos professores gostariam de encontrar mais orientações sobre como trabalhar com os alunos questões relacionadas ao uso seguro, consciente e responsável da internet.  Entre os respondentes, 38% afirmam já ter apoiado algum aluno a enfrentar situações incômodas na internet, como, por exemplo, bullying, discriminação, assédio, disseminação de imagens sem consentimento, entre outras. 

Anualmente, em meados de fevereiro, uma intensa mobilização global, envolvendo mais de 140 países, vem chamar a atenção para o Dia Mundial da Internet Segura. Em 2020, a data marcada é 11 de fevereiro, mas a intenção é que a mobilização não se restrinja a um único dia nem a uma semana, mas sim esteja presente durante o ano todo, nas escolas, instituições e famílias. 

“Quando falamos em uso seguro, responsável e consciente da internet, enfatizamos a importância que a cidadania digital tem cada vez mais em nossa vida e em nossa convivência em sociedade e pode ser trabalhada em diversas disciplinas e mais ainda de forma interdisciplinar”, explica Rosa Maria Lamana, da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação da Secretaria Estadual da Educação de São Paulo. 

Por sua atuação constante em diversos eventos sobre a temática, como o Fórum da Internet e o Simpósio Crianças e Adolescentes na Internet, e também por estar sempre atenta às necessidades dos docentes, Rosa procurou o Educadigital com uma constatação bem pertinente. “Existem muitas fontes de informação, vários materiais de apoio consistentes, mas não temos ainda onde encontrar sugestões de como colocar em prática”, relatou Rosa. 

Em conversas com a diretora-executiva do Educadigital, Priscila Gonsales, aquela constatação foi acolhida e acabou gerando uma ideia concreta. “Logo pensei que também faltava valorizar as boas práticas que já estão sendo feitas, mas são bem pouco divulgadas”, explicou Priscila. 

Desde 2018, o Educadigital mantém a plataforma REliA, um referatório de recursos educacionais com licenças abertas (REA), organizado por área do conhecimento, tipos de mídia e disciplinas. Ao remixar a base tecnológica em código aberto do REliA, vai surgir uma nova plataforma, especialmente voltada para a busca e o compartilhamento de boas práticas em cidadania digital.

Essa nova plataforma receberá o nome de Pilares do Futuro, para remeter aos 4 pilares da educação da UNESCO —aprender, fazer, ser e conviver— que formam a base das competências socioemocionais e também das competências gerais da Base Nacional Curricular Comum (BNCC). “Pilar ainda representa alicerce, ou seja, a consistência que uma prática em cidadania digital deve ter”, ressalta Débora Sebriam, coordenadora de projetos do Educadigital. 

Com apoio inicial do NIC.br, a Pilares do Futuro está sendo construída e tem lançamento previsto para março de 2020. Além dos temas bastante procurados como cyberbullying e superexposição, também serão destaque: inteligência artificial, proteção de dados, direito autoral, fake news, publicidade e consumo, dentre outros. 

Quer participar desse projeto?