Curso: facilitação de aprendizagem remota

Educadigital lança curso novo, especialmente criado para o contexto atual, em que educadores se deparam com a demanda por uma nova habilidade 

Assim que as escolas foram fechadas como medida de contenção do avanço da COVID-19, nossa diretora, Priscila Gonsales, fez um post no intuito de chamar a atenção para a importância da colaboração, algo sempre relevante entre educaodores, mais ainda em tempos emergenciais.

Nesses últimos dois meses, no entanto, o que se viu com mais frequência foi a corrida por  plataformas e ferramentas digitais para aulas remotas, com pouca ou quase nenhuma preocupação em relação à proteção de dados dos estudantes. O projeto Educação Vigiada enfatiza bem esse aspecto.

Para Priscila Gonsales, escolher a plataforma ou ferramenta não deve ser a primeira ação a fazer, mas sim considerar as pessoas envolvidas no processo. “Facilitar a aprendizagem é o que o bom professor faz desde sempre, o ponto agora é refletir e prototipar possibilidades de facilitação remota, com muita empatia em relação aos estudantes e a si mesmo”, ressalta.

Promover a cultura da colaboração é a melhor maneira de lidar com as incertezas que esse contexto traz, pois não existem respostas prontas.  Além disso, o papel de facilitar a aprendizagem de maneira remota surge como uma nova habilidade.

Pensando em apoiar nossos alunos da turma 10 do curso-laboratório on-line de formação de facilitadores em Design Thinking para Educadores, criamos um novo curso.

Agendado para iniciar no dia 19 de maio, o curso será no formato de 4 encontros em tempo real e  poderá receber também outros interessados, mesmo que não estejam matriculados no curso-laboratório.  As inscrições estão abertas e as vagas são limitadas. Saiba mais aqui

No dia 15 de maio, sexta-feira, 18h, faremos uma LIVE no Instagram do Educadigital para contar um pouco mais sobre o curso e esclarecer dúvidas

 

Entrevista – Rosa Lamana

Primeiro post da série de mini-entrevistas com especialistas e
estudantes convidados que vão apresentar seu ponto de vista para 5 perguntas-chave sobre educar em cidadania digital, tema do nosso novo projeto, a plataforma colaborativa Pilares do Futuro

Graduada em Educação Artística pela Faculdade Mozarteum de São Paulo, especialização em Tecnologias em Educação pela PUC/RJ e mestrado em Educação: Currículo pela PUC/SP. Professora da rede pública estadual, Ensino Fundamental I, II e Ensino Médio. Atualmente compõe a equipe da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores do Estado de São Paulo. Foi membro colaborador da Comissão de Educação Digital da OAB de São Paulo, é integrante do grupo de pesquisa Comunidade Práxis.  

Como você definiria a importância de educar para a cidadania digital atualmente?

Somos cercados pela tecnologia. Mas será que sabemos usá-las adequadamente? Qual a importância de ler os termos de uso de aplicativos e plataformas antes de aceita-los? Como saber se uma informação é verdadeira ou não? Muitas vezes nós somos pegos nessas questões sem saber resolve-las. A necessidade do trabalho nesse tema vai além do uso de redes sociais. Envolve nossa vida social, financeira, nossos ambientes de trabalho, etc. Educar para a cidadania digital é educar para a vida. As 10 competências da BNCC trazem isso claro, pois  destacam a importância da argumentação, pesquisa, responsabilidade e cidadania, conhecimento, pensamento científico crítico e criativo, comunicação, empatia e cooperação, trabalho e projeto de vida, cultura digital e repertório cultural

Quais os temas você considera prioritários de serem trabalhados pela escola?

O tema cidadania digital é muito amplo e todos os temas são importantes. Deve-se considerar a faixa etária com a qual o professor irá trabalhar, além das necessidades da turma com a qual ele trabalha. Considero importante a observação dos alunos para compreender o que acontece com eles e, de acordo com isso, trabalhar as vertentes desse tema. Em algumas idades a vertente pode ser a mesma porém com um aprofundamento maior.

Conhece alguma boa prática em cidadania digital que poderia relatar brevemente?

Algo bem interessante é mostrar aos alunos algumas imagens de propagandas (antigas ou atuais). A partir daí, propor uma discussão. Por exemplo: o que faz aquela propaganda ser confiável ou leva-lo a comprar o produto? Mostrar ao aluno que é preciso que a imagem mostre que o produto é bom ou tenha como garoto propaganda alguém que inspire confiança. Além disso, as palavras usadas também devem inspirar confiança e convencer o consumidor que o produto é bom e indispensável. Depois dessa discussão, vale formar  grupos e distribuir  temas (diferente para cada grupo). Deverão pesquisar o tema que receberam e construir um texto sobre ele. Para um dos grupos o (a) professor(a) dá a comanda de que devem inserir uma informação falsa de forma convincente. Quando todos os grupos terminarem os respectivos textos deverão compartilhar com toda a turma e os ouvintes receberão a comanda de dizer se as informações são novas para eles. Também é possível que o (a) professor(a) deixem a turma ter acesso ao texto escrito e pesquisem a veracidade ou não das informações.

Essa atividade é interessante para que os alunos percebam que as informações podem transmitir ideias erradas sobre os assuntos sendo necessário verificar a veracidade ou não delas. Os temas podem ser dados de acordo com o conteúdo da atividade que está sendo trabalhada pelo professor.

Como o/a profissional de educação pode buscar formação e informações sobre temas de cidadania digital?

A internet fornece alguns bons caminhos para esse trabalho através de plataformas que tratam sobre o tema. Outro recurso que pode ser usado pensando diretamente na escola são as plataformas colaborativas onde professores podem compartilhar os trabalhos que realizam e juntos trocar ideias e aperfeiçoar as que já existem.

De que forma uma plataforma para buscar e compartilhar boas práticas pode apoiar o trabalho docente?

Plataformas que permitem a troca de ideias trazem vivências semelhantes que podem ser discutidas, ampliadas, modificadas de acordo com a necessidade da turma que o professor está trabalhando. O trabalho colaborativo contribui para troca de experiências exitosas ou não. Acredito que mesmo uma experiência não exitosa pode contribuir no trabalho de outros professores pois ela permite que outros possam corrigir os possíveis “erros” que fizeram com que a experiência não desse certo. Até mesmo experiências que não deram certo com algumas turmas podem ser ótimas para outras.

Meu trabalho já é “do futuro”! E o seu?

futuro

Estudo 100 Jobs of the Future (100 ocupações do futuro) traz algumas pistas sobre quais são as aprendizagens relevantes para a convivência humana desde sempre

Por Priscila Gonsales

Viramos, então, o ano de 2020 e com ele mais uma década vai chegando ao fim. Aquele futuro imaginado, tomado pelos avanços avassaladores da tecnologia digital e da inteligência artificial está cada vez mais se concretizando.

Muita coisa vai mudar, especialmente no campo do trabalho. De certa forma, é natural imaginar que poderemos exercer diferentes funções ou ter várias carreiras ao longo da vida, mas ainda não temos nenhuma certeza quais serão os tipos de ocupações que efetivamente surgirão e que vão demandar uma formação nova ou específica.

No entanto, o estudo 100 Jobs of the Future, lançado no segundo semestre de 2019,  nos traz algumas pistas.  De autoria de duas universidades australianas,  Deakin e Griffith, em parceria com a Ford Go Further, o estudo parte do pressuposto de que no futuro teremos pessoas e máquinas colaborando efetivamente para fazer o que nenhuma delas poderia fazer sozinha.

Bem interessante, não?

A lista das 100 ocupações do futuro foram organizadas em 10 categorias e logo atrás da categoria “Trabalho com Tecnologias”, campeã com 21 possibilidades, vem “Trabalho com Pessoas” com 14 possibilidades — mas em várias das demais categorias dá pra ver o quanto o foco em pessoas estará em evidência . Aha!

Se por um lado já podemos supor que o trabalho do futuro exigirá aptidões científicas, tecnológicas e digitais, por outro, valorizamos pouco habilidades relacionadas ao autoconhecimento e à convivência humana que serão altamente necessárias, quase como um alicerce para o bom desempenho profissional e pessoal.

O ano de 2020 também marca 10 anos de existência do Educadigital, é gratificante notar que, mesmo depois de uma década, nosso foco de trabalho centrado nas pessoas (de forma “plugada ou desplugada”), continua sendo o que se espera no futuro!  Confira algumas das ocupações que destaquei do estudo, sendo que várias delas de alguma forma já estamos  “semeando” por aqui!

Educador em Inteligência Artificial

Ensinarão as pessoas a usar a IA da melhor forma possível, seja para lidar com robôs domésticos e assistentes digitais, até aprender como usar algoritmos para analisar dados ou tomar decisões.

Ao contrário de ser um intérprete algorítmico, que apenas explica como uma IA chegou a uma conclusão específica, o Educator em IA vai promover que pessoas compreendam como as máquinas aprendem.

Negociador de Propriedade Intelectual

Vão precisar conhecer bem o valor da criatividade.

Eles negociarão em nome de seus clientes pela propriedade ou uso de novas tecnologias, produtos, software ou outras saídas criativas.

Eles também representarão pessoas quando a IA usar idéias sem permissão. Precisarão ter habilidades e conhecimentos avançados em leis de direito autoral dentro de suas jurisdições.

Guia de experiência analógica

Darão suporte às pessoas para ‘desconectar’ da vida digital e reconectar com o mundo natural, sem implantes digitais ou realidade aumentada.

Eles ajudarão as pessoas a apreciar uma vida mais simples e mais lenta experimentando ambientes naturais como florestas ou áreas montanhosas sem acesso digital em infra-estrutura ou vigilância.

Gestor de expansão digital

Terá um alto nível estratégico na maioria das organizações, pois será responsável por escolher quais tecnologias devem ser usadas de acordo com as tarefas e atividades e objetivos.

Poderão também projetar processos de trabalho onde humanos e máquinas trabalharão juntos de maneira complementar.

À medida que mais humanos buscarem implantes e modificações no corpo/cérebro para aumentar suas capacidades como cyborgs, o profissional terá que cuidar de questões de condições e direitos no local de trabalho.

Facilitador transcultural

Serão especialistas com profunda capacidade de responder pelo respeito e direito de pessoas de diversas culturas e origens. Eles vão trabalhar diretamente com pessoas em contextos transculturais, facilitar negociações ou projetos.

Muitos também trabalharão com programadores de software, designers de robôs e criadores de experiências de realidade aumentada/virtual. Terão forte conhecimento e comprometimento com princípios de diversidade e inclusão, mobilidade internacional, resolução de conflitos e sensibilidade cultural.

Estrategista de privacidade de dados

Projetarão soluções para proteger dados pessoais. No futuro, será mais desafiante que nunca salvaguardar a privacidade dos dados, porque todos estarão sempre “conectados” às redes
através dos implantes digitais em seus corpos que garantam sua saúde e melhorem o estilos de vida.

Criarão sistemas e softwares para reduzir o risco de pirataria. Se um sistema for hackeado, eles podem trabalhar para repará-lo, recuperar dados e minimizar o impacto sobre a vidas das pessoas.

Apoiadores para tomada de decisão

No futuro, as pessoas terão assistentes virtuais que usam sistemas de recomendação (com base em algoritmos de machine learning)para ajudá-los a tomar decisões.

Contudo, decisões automatizadas nem sempre são assertivas, ainda mais se não há dados corretos disponíveis.

Às vezes, as pessoas precisam tomar decisões muito significativas e vão preferir trabalhar com o apoio de um humano para garantir uma escolha mais apropriada.

Hackers éticos

Também conhecidos como ‘chapéus brancos’ ou ‘hackers éticos’, identificarão pontos fracos nos sistemas de cibersegurança.
Em um mundo onde todos estão constantemente conectados digitalmente e os dados são coletados sobre tudo, o hacking se tornará um grande problema.

Dados pessoais podem ser roubados. Hackers éticos vão usar as mesmas ferramentas dos hackers criminosos, mas para investigar as fraquezas dos sistemas e evitar maus usos.

Eles vão trabalhar em equipe para encontrar e corrigir possíveis problemas, corrigir riscos de segurança e combater ataques.

Conselheiro de educação ao longo da vida

Cada vez mais, as pessoas terão várias carreiras ao longo de sua vida. Mesmo se elas permanecerem dentro de uma carreira, com a introdução constante de novas
soluções tecnológicas e mudanças sociais, aumentará a necessidade de atualização.

Com isso, caminhos de educação e treinamento se tornarão mais complexos, com uma diversidade de profissionais, especialmente aqueles focados em orientar indivíduos e grupos em carreiras emergentes ou como permanecer a par dos avanços da tecnologia

Programador de robôs para crianças

Vai projetar robôs para apoiar crianças a brincar em segurança, respeitando seus direitos.

Poderão ler canções de ninar, personalizar histórias, ensinar números e palavras básicas, apoiar o aprendizado de habilidades, garantindo que elas estão seguras em suas explorações on-line.

Precisarão entender sobre primeira infância, desenvolvimento e direitos da infância, bem como teorias de aprendizagem.

Professor da primeira infância

Os professores da primeira infância farão muito do que eles fizeram no início do século 21, mas com ênfase no envolvimento de crianças em interações significativas para aprender sobre idéias e problemas locais envolvendo comunidade e relações sociais, sustentabilidade ambiental; competência intercultural; comportamento saudável, e alfabetização digital.

Os robôs farão grande parte dos cuidados básicos de garantir a segurança infantil e os dados dos sensores serão lidos, interpretados e utilizados na tomada de decisão do desenho curricular com foco no perfil individual.

Designer de gameficação

Gamificação é o processo de adicionar lógica e processos do jogo para aprimorar o engajamento do usuário e alcançar melhores resultados.

A gamificação pode ser usada em uma variedade de campos, da educação à saúde, para melhorar os resultados da aprendizagem ou aprimorar qualidade de vida.

O jogo se tornará um parte penetrante de nossas vidas com organizações usando gamificação para incentivar comportamentos e aumentar o envolvimento.

Por exemplo, organizações de saúde pública poderiam oferecer recompensa para compra saudável ou aumento da atividade física.

Organizadores de desordem virtual

No futuro, as pessoas terão muita confusão virtual, porque será cada vez maior a quantidade de dados que elas criam, acessam, usam e guardam.

Não apenas terão inúmeras contas de usuário on-line, também gerarão dados de seu corpo e família em sensores.

O organizador de desordem virtual ajudará a remover o excesso de dados e organizar o restante.

Eles usarão software de gerenciamento de dados e inteligência artificial para fazer seus trabalhos mais fáceis, mas grande parte de seu papel não pode ser feito automaticamente.

Eles terão de perguntar ao cliente sobre o que não está funcionando ou onde os dados poderiam ser melhor organizados.

Enfim, você pode acessar o relatório completo do estudo (em inglês) clicando aqui

2019 foi um ano daqueles!

Como precisamos de resiliência e perseverança para esse ano que passou! Mesmo com tanta adversidade, seguimos firmes em nossa missão de disseminar a educação aberta pelo Brasil. E já agora neste fim de ano, para adentrar 2020 em nova perspectiva, ampliamos nosso foco de atuação, trazendo a pauta dos direitos digitais — acesso à informação, liberdade de expressão e privacidade de dados pessoais — para o centro da nossa missão. 

Completamos 5 anos de Design Thinking para Educadores levando formação em práticas pedagógicas abertas para mais de 10 mil professores, gestores, estudantes e também para profissionais de organizações sociais de todo o Brasil.

Nosso material aberto e gratuito foi oficialmente recomendado por redes públicas como apoio na readequação curricular para a Base Nacional Curricular Comum. No Rio Grande do Sul, por exemplo, nossa facilitadora associada, Sandra Mendez, apoiou o processo em escolas de Pelotas e do Chuí. Lançamos novo material igualmente aberto e gratuito, especialmente voltado para resolver problemas de gestão. Fizemos várias palestras sobre inovação em educação e contribuímos com o curso de formação para diretores ingressantes da SEE-SP, com o vídeo: 

Foi um ano importante em reconhecimento internacional de nosso trabalho, ganhamos prêmio e indicação para prêmio por nossa expertise de formação de gestores públicos para a implementação de política de educação aberta. Também fizemos mentoria internacional em eventos da área na Europa (Polônia) e na América Latina (Peru). Conseguimos aprovar o Projeto de Lei sobre Recursos Educacionais Abertos em mais uma comissão na Câmara dos Deputados. Lançamos o Jogo da Política de Educação Aberta, disponível em três idiomas: português, inglês e espanhol. Você já viu nosso novo vídeo sobre a diferença entre recursos grátis e abertos?  

Lançamos um site novo para poder organizar melhor as informações sobre nossas iniciativas, projetos e ações, além de facilitar a que todas as nossas produções — impressas e digitais — realizadas ao longo dos últimos 9 anos possam ser encontradas. 

E aguardem novidades para 2020: novo cursolab de formação de Líderes em Educação Aberta e uma plataforma de compartilhamento de boas práticas em cidadania digital! 

Insights e alertas que Harari traz para a educação

Em visita ao Brasil, o pesquisador, professor, historiador e best-seller ressaltou a importância da educação na compreensão da realidade assustadora que vivemos.

Por Priscila Gonsales

Yuval Noah Harari é o intelectual mais citado atualmente quando o assunto é pensar o futuro da humanidade. Autor de três livros, Sapiens: Uma breve história da humanidade, Homo Deus: Uma breve história do amanhã e 21 lições para o século 21, Harari esteve pela primeira vez no Brasil para diversas palestras e entrevistas sobre o que ele considera como os três principais desafios globais: guerra nuclear, mudanças climáticas e inteligência artificial.

Segundo o pesquisador, esses são os desafios que representam ameaças diretas para a civilização e também para a especie humana e que a solução deve ser buscada de maneira cooperativa entre os diversos países, especialmente aqueles que, como o Brasil, não estão liderando o que ele chama de “disrupção tecnológica”.

Sendo assim, é exatamente nesse aspecto, bastante abordado em seu terceiro livro, 21 Lições para o Século XXI, que há um alerta importante nas entrelinhas para a educação.

Qual seria esse alerta?

  • Engana-se quem pensou no “aprender a programar”, tema bastante destacado nos últimos anos como sendo a “nova” alfabetização.
    Harari ressalta a todo momento que ele não entende nada de computação nem sequer usa smartphone. O que ele faz é compreender como a tecnologia funciona e está sendo desenvolvida atualmente, considerando o contexto político, econômico e social. Por exemplo, entender que os dados de todas as pessoas do mundo estão sendo coletados e acumulados em dois locais: EUA e China. Ao trazer uma tecnologia de uma empresa para dentro da escola, para que nossos alunos usem, estamos cientes disso? Consideramos o que pode ser feito no futuro a partir dos dados de crianças e adolescentes coletados por plataformas de gigantes da tecnologia que usamos e divulgamos amplamente?

 

  • Engana-se quem pensou nas “metodologias ativas ou metodologias ágeis” hoje tão badaladas em toda e qualquer formação docente.
    Pelo menos até o momento, Harari não falou em melhores nem piores formas de ensinar conteúdos. Ao contrário, ele pontua que cada vez mais teremos necessidade de lidar com situações imprevisíveis. E também, que isso só será possível se desenvolvermos nas crianças e jovens uma mentalidade flexível. Estamos dando espaço para o imprevisível em nossas práticas educativas ou elas apenas servem para cumprir melhor as metas de apreensão de conteúdos?

 

  • Engana-se também quem pensou no “aprendizado ao longo da vida” ou “lifelong learning”, algo que sempre foi foco de uma educação de qualidade, mas que agora tem sido a menina dos olhos em diversas pesquisas internacionais recentes sobre competências e habilidades. Por mais que Harari considere importante, o enfoque que ele traz não é apenas no aprimoramento profissional para gerar competitividade no mercado de trabalho, mas sim no conhecimento de si mesmo, incluindo consciência sobre suas próprias fraquezas, já que atualmente os algoritmos de inteligência artificial podem saber mais sobre nós do que nós mesmos.

O principal alerta para nós educadores envolve a  conscientização sobre as novas formas de manipulação e vigilância que estão sendo feitas por meio de dados coletados pelas tecnologias de inteligência artificial. E, claro, compartilhar e incentivar essa reflexão crítica também com os estudantes.

Se já conseguimos deixar o deslumbramento com a tecnologia de lado para valorizar o “para que” usamos determinada tecnologia. Então agora precisamos nos atentar para a questão dos dados e fazer melhores escolhas. Afinal, não faz sentido tornar escolas instrumentos de fidelização de usuários por parte das empresas que controlam nossos dados.

Não há como prever quais serão os tipos de trabalho que surgirão daqui a 20 anos. Mas, hoje já sabemos que se pode manipular comportamentos, opiniões e atitudes por meio dos dados coletados das mais diversas formas. Isso vai de um simples preenchimento de informações em formulários ou rastros de navegação até expressão facial.

Nesse sentido, será que estamos tomando decisões assertivas em relação às tecnologias que adotamos em sala de aula, com as devidas preocupações em relação aos dados que estão sendo constantemente coletados?

Então, em nível macro, Harari propõe aos países em desenvolvimento não evitarem o debate sobre esse tema por acharem que está ainda muito distante da realidade. O mesmo caminho cabe a nós educadores, pois temos o futuro como pauta desde sempre.

Leia também:

Educação aberta e a proteção dos direitos digitais 

Inovar na educação não depende da ferramenta que você usa 

Educação digital nas escolas precisa incluir alfabetização em dados

Curso on-line: Design Thinking para Boas Escolhas