Design, educação e a vida aparelhada

Quantos cliques de imagem você já deu hoje em seu celular? Seu aparelho multifuncional smartphone tem sido mais câmera fotográfica do que telefone nos últimos tempos?

Por Priscila Gonsales e Roberta Dabab*


phone-690091_1280

Já está tão no automático que quase nem paramos para pensar em como fotografamos pessoas e objetos a todo instante e subimos essas imagens nas diversas redes sociais on-line. Outro dia, em uma oficina de Design Thinking para Educadores, ouvimos de uma aluna do Ensino Médio, enquanto procurava o protótipo em vídeo produzido pelo seu grupo ao conectar o cabo do celular no computador: “Vamos ver se consigo achar, tenho mais de 2.500 fotos aí!”

A comunicação sempre foi, ao longo de toda a humanidade, fundamental para as relações humanas, mas o que vemos agora é a mediação dessas relações serem cada vez mais lideradas pelos aparelhos e dispositivos eletrônicos. A imagem virou mídia soberana; o olho o órgão dominante. Mas será que podemos usar nossa percepção e expressão — e por que não — nossa autoria para gerar criações com mais qualidade estética? Que possam ter a arte como ponto focal, instigando sensibilidade por parte de quem as produziu e de quem vai contemplar?

Esse é o mote do novo curso Design Thinking e a Educação na Sociedade Aparelhada, que agendamos para os dias 9 e 10 de março em São Paulo. Vamos unir os conceitos de empatia, colaboração e experimentação do DT com a ideia de uma sociedade aparelhada e dialógica, isto é, capaz de produzir imagens como resultado de uma postura criativa, livre de um olhar para os excessos e de representações óbvias. Algo que nos incentiva a primeiro refletir e interpretar aquilo que pretendemos representar.

Uma vez que vivemos cercados pelos aparelhos e suas programações, a emancipação humana poderá vir da busca de um diálogo com a tecnologia, com a arte, e a abertura para o novo, o erro , o diálogo. Trata-se de uma motivação para ampliarmos as possibilidades de inter-relacionar comunicação e educação. E esse movimento, claro, tem tudo a ver com Design Thinking.

Informações:  Design Thinking e a Educação na Sociedade Aparelhada
curso de 12 horas com saída fotográfica (tragam seus celulares!)
Dia 9 de março, das 14h -18h Dia 10 de março, das 9h-18h
Inscrições: www.gg.gg/DT-Sociedade

*Priscila Gonsales é diretora-executiva do Instituto Educadigital
*Roberta Dabdab é pesquisadora, artista visual e fotógrafa, desenvolve o projeto OJE – O Jovem Aparelhado

Inteligência Artificial na educação: possibilidades e desafios

IBM, PUC-SP e Educadigital organizam em parceria workshop em São Paulo reunindo professores e gestores para cocriação de ideias sobre o tema 


No dia 30 de novembro, na sede da IBM, em São Paulo, profissionais da educação, atuantes em redes públicas e privadas participaram de um encontro de cocriação a partir de uma imersão em Inteligência Artificial.  Cada participante tinha pouco ou nenhum conhecimento sobre o tema. A ideia central foi compreender o alcance dessa tecnologia para poder pensar como podemos nos relacionar com ela de forma saudável, procurando contemplar os apoios que ela pode oferecer e, claro, as limitações.

Para estruturar o encontro e as atividades, a abordagem do Design Thinking,  focada em empatia, criatividade, colaboração e experimentação. O DT busca criar uma cultura de inovação baseada no ser humano, isto é, sempre as pessoas envolvidas devem estar no centro do processo. O DT transforma o tradicional mindset baseado em “fazer para” para o de “fazer com” e vem sendo utilizado nas mais diversas áreas, de negócios ao terceiro setor e tem por objetivo incentivar a busca de soluções que resultem em valor percebido.


Ao encarar os temas e problemas cotidianos como desafios, é possível pensar em oportunidades que levem a soluções criativas. O Design Thinking é muito eficiente ao propor o trabalho em grupos para valorizar a troca e a colaboração. A primeira parte do encontro contou com uma apresentação do Thiago Soares, da IBM, sobre as soluções de Inteligência Artificial que já estão disponíveis por meio da tecnologia Watson. Para a escuta atenta dos exemplos apresentados, foram propostas as seguintes perguntas norteadoras:

  • Quais foram os problemas que a ideia/solução resolveu?
  • Quais os caminhos utilizados? Como poderiam ser utilizados em outros contextos?
  • Quais as estratégias?
  • Quais as inspirações?

Como resultado desse primeiro encontro entre educadores, o Educadigital e a PUC-SP estão organizando um relatório aberto, que ficará disponível online, com o objetivo de enfatizar a importância cada vez mais significativa de a educação se preparar para educar pessoas para tipos de competências e habilidades que não serão substituídas pelas máquinas. Se operadores de telemarketing, motoristas e recepcionistas são algumas das ocupações com dias contados, outras, cujo ponto focal seja o cuidado ou a habilidade de se relacionar com seres humanos tendem a crescer.

O relatório vai apontar, ainda, algumas das preocupações relacionadas a questões éticas que precisam ser consideradas, questões estas que  estão sendo pontuadas no mundo todo. Personalidades notórias como o físico Stephen Hawking e, até o momento, outras 8 mil pessoas assinaram uma carta aberta chamando a atenção para o uso responsável da IA em benefício da humanidade. Temas como “até que ponto” as informações pessoais podem ser colhidas ou usadas para outros fins, a privacidade,  a segurança, a exposição de crianças e jovens e questões que nem podem ser consideradas neste momento, precisam ser aprofundadas e debatidas, em especial, pelos educadores, pais e pela sociedade como um todo.

DT na pós-graduação Formação Integral

Instituto Singularidades apresenta proposta para a 2ª turma e abre inscrições para segunda turma que começa em março de 2018


Dia 11 de dezembro, o Instituto Singularidades realizou o evento Portas Abertas para apresentar a segunda edição da pós-graduação bianual Formação Integral – Autoconhecimento, Habilidades Socioemocionais e Práticas Educacionais Inovadoras, lançada em 2016, que tem um módulo de Design Thinking para Educadores coordenado pela fundadora do Instituto Educadigital, Priscila Gonsales, em parceria com Daniela Carbognin consultora organizacional com foco em Direitos Humanos.

O curso é inédito no país e se propõe a formar, em nível de especialização, profissionais  com alto nível de consciência quanto à sua própria identidade e sua prática junto a crianças, jovens e adultos.


Trata-se de uma visão ampla de educação, com foco no desenvolvimento humano, que traz um repertório e de experiências que incorporem teorias sobre a educação para o século XXI e habilidades socioemocionais. As disciplinas exploram aspectos de desenvolvimento pessoal, trabalho em grupo e transformação sistêmica.

A expectativa é que os formandos possam aplicar os conhecimentos em sua prática profissional e cotidiana, à planejamento de currículo e na preparação de atividades educativas inovadoras. “O Design Thinking é uma abordagem com bastante sinergia com o propósito do curso, pois não estamos falando de uma metodologia para melhorar o ensino, mas sim de um modelo mental focado em valores humanos e na convivência que são fundamentais no processo de aprendizagem”, ressalta Priscila. O módulo de Design Thinking para Educadores vai ocorrer em 2019 e terá 4 momentos, sendo um deles uma imersão de 8 horas.

Oficinas Design Thinking para Educadores de novembro

Atividades do mês foram diversificadas e envolveram desde instituições até o público em geral para conhecer as etapas do DT no processo educativo e prototipar melhorias para problemas cotidianos 


As formações de DT para Educadores em novembro encerraram as atividades de 2017 da iniciativa. Para 2018, estão previstas algumas novidades, como curso on-line para estudantes de pedagogia e licenciaturas, além de novas edições do #cursolabDT para pessoas interessadas em se tornar facilitadores da abordagem do DT e do curso que associa a Jornada do Herói. Saiba mais como foram as atividades de DT do último mês:


Design Thinking e a Jornada do Herói na Educação
Curso especial desenvolvido em 2017, que teve 3 edições, sendo duas em São Paulo e uma no Rio de Janeiro. A última foi nos dias 10 e 11 de novembro, em parceria com a Universidade Metodista de São Paulo, no campus Vergueiro, em São Bernardo do Campo. O mote das atividades foi a célebre frase de Paulo Freire: “a educação não muda o mundo, a educação muda pessoas, pessoas mudam o mundo”. Por meio de uma mandala baseada na Jornada do Herói, os participantes interpretaram as informações sobre as pessoas envolvidas em seu desafio, com muita ênfase nas atitudes empáticas e colaboração para gerar ideias que pudessem de fato fazer sentido para a vida daquelas pessoas.


Perspectivas para o jovem do campo
A diretora-executiva do Educadigital, Priscila Gonsales, que também é fellow Ashoka, foi convidada para facilitar um encontro de cocriação de ideias para um futuro projeto que pretende contribuir no fortalecimento do jovem do campo, meninos e meninas que moram na zona rural e estão envolvidos na agricultura familiar do café. O projeto terá apoio institucional da Nescafé. O evento ocorreu dia 14 de novembro na cidade de Araras-SP e contou com a participação de cerca de 25 pessoas envolvidas com a temática, dentre elas, produtores, especialistas baristas, fellows Ashoka que atuam em empreendedorismo rural, funcionários da Nescafé. Houve registro gráfico do processo pela Camila Vieira


Trabalho com significado
Dia 21 de novembro foi a vez dos consultores de Design Educacional do Senac São Paulo conhecerem melhor o potencial da abordagem do DT para refletir sobre possibilidades de uso em seu cotidiano de atividades, como também apoiar um processo de busca de melhorias para situações de convivência, empatia e colaboração no ambiente de trabalho. Para favorecer a concentração na atividade, a oficina foi realizada fora da unidade sede, no Senac Lapa, na rua Tito.


Design Thinking e a Inovação Aberta na Educação 
A última oficina do ano, no dia 24 de novembro, foi realizada em parceria com o Colégio Presbiteriano Mackenzie e contou com a presença de vários educadores, muitos deles do próprio Mackenzie, além de 4 estudantes do Ensino Médio, que tornaram o encontro ainda mais especial. O mote foi a educação aberta, de que forma as atitudes de colaborar e compartilhar podem favorecer a construção de um processo de ensino e aprendizagem ainda mais inovador. Dentre os protótipos, o “colaboragenda”, um projeto de compartilhamento de problemas que acontecem na escola e que podem ser resolvidos pelo grupo a partir da organização de  prioridades.

Design Thinking para uma Formação Integral

Abordagem voltada para o uso em contextos educacionais integrou módulo da pós-graduação do Instituto Singularidades


O mês de outubro foi marcado pela estreia do módulo de Design Thinking para Educadores na pós-graduação “Formação Integral: Autoconhecimento, Habilidades Socioemocionais e Práticas Educacionais Inovadoras”, de periodicidade bianual e lançada em 2016 pelo Instituto Singularidades. A diretora-executiva do Instituto Educadigital, Priscila Gonsales, foi convidada para ministrar o módulo, em colaboração com Daniela Carbognin, consultora organizacional com foco em direitos humanos.


Na primeira aula do módulo, os alunos tiveram a oportunidade de experienciar um jogo colaborativo em que a maior pontuação surgiria do equilíbrio entre as escolhas individuais e coletivas. Nas três aulas seguintes, todos puderam conhecer e aprofundar as etapas do processo de DT na Educação: Descoberta, Interpretação, Ideação e Experimentação, sendo que os desafios foram cocriados entre os diversos grupos e depois cada pessoa pode fazer sua escolha individual sobre qual temática mais se sentia motivada em atuar. Para a próxima edição do curso, está prevista uma imersão de dia todo para o processo de DT.

A pós-graduação, coordenada por Ana Maria Diniz, presidente do Instituto Península, tem como base o autoconhecimento para o exercício da liderança e é voltada para pessoas de nível superior, que atuam com o desenvolvimento humano em atividades direta ou indiretamente relacionadas com educação, treinamento ou capacitação de pessoas para a vida e para o trabalho. Trata-se de uma especialização que visa estimular os profissionais a se reconhecerem para assumirem a condição de agentes transformadores que possam influenciar positivamente pessoas a sua volta.

Dentre os temas abordados estão: abordagem integral, neurociência da educação, gestão estratégica, uso de novas tecnologias, design thinking, currículo multicultural, expressão plástica etc. Já estão abertas as inscrições para o próximo biênio 2018-2019, acesse aqui.

 

Design Thinking é tema de debate online do Inova Escola

Débora Sebriam, coordenadora de projetos do IED, participou do Debate Online do Inova Escola para falar da abordagem do Design Thinking, em 31 de agosto. Os debates fazem parte da ação de mobilização do projeto e visam contribuir com a formação dos educadores participantes da Formação Presencial Inova Escola e mobilizar profissionais interessados à inovação no campo educacional. Atualmente o Inova Escola conta com a realização de oficinas como Papel do Professor, Projeto de Vida, Personalização, Espaços Diferenciados, Recursos Tecnológicos e Gestão Inovadora.

A abordagem do Design Thinking para Educadores foi abordada numa perspectiva de promover um novo cenário de inovação nas escolas do território brasileiro. Sebriam apresentou aos participantes do curso o conceito a as etapas do DT, além de exemplos práticos e contextos de aplicação.

Conheça o Inova Escola e confira o batepapo completo no canal do Youtube do projeto.

Oficina POA: aprender com tecnologias digitais

Fundação Sirotsky, parceira na realização da oficina de Porto Alegre, sorteou cinco cortesias para educadores da rede pública


No dia 26 de agosto, Porto Alegre recebia pela primeira vez a oficina básica de Design Thinking para Educadores, facilitada pela coordenadora de projetos e mobilização no Rio de Janeiro, Bruna Nunes.

Realizado em parceria com a Fundação Sirotsky, que sorteou cortesia para cinco professores da rede pública de Porto Alegre, o evento ainda contou com colaboração de Julia Garim, empreendedora da Zone Carrers, que já fez o curso de Design Thinking e a Jornada do Herói na Educação, em março, em São Paulo.


O mote de toda a vivência foi a “cultura digital”, com destaque para a necessidade de incorporar as chamadas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) ou simplesmente “tecnologias digitais” no cotidiano escolar. Os grupos, compostos em sua maioria por professores, compuseram três personas de perfis bem diferentes e ao mesmo tempo bastante comum quando se pensa no contexto da escola: a que tem bastante receio em usar qualquer tipo de tecnologia digital; a que já atua de uma forma acomodada em seu cotidiano; e a persona empolgada e engajada, que tem vontade de sensibilizar a todos.

Dentre os protótipos, que foram bastante complementares entre si, o DecolaEdu, uma plataforma para troca entre professores sobre o tema. A ideia foi tão bem aceita que espontaneamente os participantes criaram um grupo no Facebook para manter as discussões e tentar implementar de fato a proposta.

Mais fotos dessa formação, acesse aqui.

Aula ao vivo no EAD da Unicesumar

Alunos da pós-graduação do Núcleo de Educação a Distância da Unicesumar puderam conhecer a abordagem do Design Thinking em aula ao vivo no dia 26 de agosto


A convite da coordenação do Projeto Educação e Inovação da Unicesumar, campus de Maringá (PR), a diretora-executiva do IED, Priscila Gonsales, ministrou aula ao vivo sobre Design Thinking para Educadores para estudantes da pós-graduação localizados em diversas regiões do Brasil, matriculados em cursos voltados para a área de educação. Dentre os cursos: Atendimento Educacional Especializado; Psicopedagogia Institucional; Docência no Ensino Superior; Educação Infantil e Anos Iniciais do Fundamental; Gestão Educacional, EAD e as Tecnologias na Educação; Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa; Metodologia do Ensino da Matemática;Metodologia do Ensino de História e Geografia; Metodologia do Ensino da Arte.


A aula integrou o Seminário Avançado, que tem duração de aproximadamente três horas e permite interação direta dos estudantes por meio de perguntas e comentários. No estúdio, um grupo de professores da Unicesumar participou das atividades de simulação das etapas do DT. Cerca de 70 estudantes acompanharam a aula em tempo real, mas outros 900 poderão assistir em outro momento a gravação.

Oficina BSB: educação empreendedora

Equipe de facilitadoras associadas do Instituto Educadigital vai a Brasília para realizar oficinas com professores e coordenadores dos cursos do Sebrae em parceria com instituições de ensino superior


A formação foi realizada em parceria entre o IESB e o Sistema Sebrae e teve como mote a educação empreendedora de qualidade. Os participantes puderam compreender como a abordagem do DT pode apoiar a busca de soluções inovadoras para a própria prática pedagógica dos cursos que são voltados à inovação.

Conduziram os trabalhos as facilitadoras associadas Ana Marcia Paiva (BH), Dani Veronezi (BSB), Fernanda Negrão (SP), Leila Ribeiro (BSB) e Silvia Sá (SP).

Dia 25 de agosto, o campus norte do Centro Universitário IESB, em Brasília, sediou oficinas simultâneas de Design Thinking para Educadores para cerca de 100 participantes. Foram cinco oficinas, cada uma com 20 profissionais da educação, como docentes, coordenadores, diretores e gestores com o propósito de despertar novas possibilidades no processo de ensino e aprendizagem, focados na ampliação de referência e construção/ fortalecimento de um ecossistema empreendedor no meio acadêmico.

Veja fotos da formação aqui

Oficina Rio: por uma educação extramuros

Como pensar e praticar uma educação que vai além dos espaços físicos internos da escola foi o mote da oficina básica de Design Thinking realizada no Rio de Janeiro


A terceira edição da oficina na capital carioca aconteceu no dia 5 de agosto, no Centro Educacional da Lagoa, parceiro na cessão do espaço. Facilitado por Bruna Nunes, coordenadora de projetos e articulação no Rio de Janeiro, os participantes tiveram como mote a chamada “educação extramuros”, ou seja, como podemos pensar uma prática educadora que valorize e incentive formatos que vão além dos muros da escola?

As personas estruturadas no momento da Descoberta focaram em alunos, professores e coordenadores, considerados os principais atores que se relacionam com o tema. A ideia girou em torno do desafio de como a escola pode aproveitar equipamentos culturais públicos para planejar e realizar atividades de aprendizagem que normalmente são feitas somente em sala de aula.

Dentre os protótipos desenvolvidos na oficina, um evento a ser organizado no Parque Lage com a participação direta da comunidade para a concepção e desenvolvimento, e também para que possam  compreender a importância da ocupação dos locais públicos como parte do desenvolvimento cidadão.

Ver fotos aqui